– Melhoria na alimentação fornecida:

Nós ficamos no colégio de 7h ás 17h, e com esses cortes de verba da educação, temos notado a alimentação decaindo, a ponto de termos dias em que o café da manhã é biscoito de água e sal, o almoço é ovo e o lanche da tarde é, novamente, biscoito. Além de muitos alunos terem sido diagnosticados com anemia de acordo com um projeto realizado na escola, o Hemoceca.

– Aumento da segurança:

Já tivemos furtos sem que nenhuma providência fosse tomada. Além disso, não temos mais porteiro, dificultando a entrada e saída de alunos por exemplo no caso de um incêndio.

– Investimentos nos materiais necessários para o projeto Apostilas, agendas, plano de estudos, netbooks, data show, internet e uniforme:

O projeto Solução Educacional para o Ensino Médio carece de materiais considerados essenciais para a realização tanto das aulas quanto das atividades de núcleo. Entre esses materiais estão apostilas, agendas, plano de estudos, netbooks, projetores, internet, uniformes etc, os quais não tem sido entregues ou encontram-se quebrados em sua grande maioria.

– Melhoria na infraestrutura do Laboratório de Informática e do Laboratório de Ciências da Natureza:

Nosso laboratório de informática tem apenas dois computadores funcionando perfeitamente. Os restantes computadores estão com vírus e sem acesso à internet, chegando ao cúmulo do absurdo de que diversos computadores não ligam. Em relação ao Laboratório de Ciências da Natureza, o mesmo é utilizado muito pouco pelos estudantes e contém muitos materiais fora do prazo de validade (alguns de mais de uma década atrás), além de não termos nenhum material que garanta a segurança no espaço.

– Impressão de provas e folhas para trabalho:

Em relação às provas e trabalhos, a escola/Seeduc carecem de xerox ou de impressão, fazendo os professores terem que arcar com estas despesas do próprio bolso, além de reutilizar o verso de folhas já utilizadas.

– Passe livre todo dia:

O decreto 38.280, de 29 de janeiro de 2014, permite aos estudantes da cidade do Rio de Janeiro mais 16 passagens de ônibus para que assim possam ir a atividades culturais e de lazer durante os fins de semana, mesmo que não estejam uniformizados. Este decreto não vem sendo cumprido desde então, e reivindicamos que ele seja respeitado.

– Meia entrada efetiva para todos os estudantes:

Um projeto de lei limita a 40% os lugares de pagantes de meia entrada em cinemas, teatros e outros tipos de espetáculo. Isso é um claro retrocesso e somos contra qualquer movimentação no sentido de cercear o direito ao estudante à meia entrada.

Veja aqui as considerações da Comunidade Escolar da Ocupação do colégio Chico Anysio sobre o texto “C.E. Chico Anysio: um capítulo à parte na história das ocupações”, publicado pela direção da Regional III do Sepe-RJ